APAGUE A LUZ AO SAIR


Tem erros que não se apagam com corretivo, curativo e nem com tempo. Tem dor que não se cura, que não se engana com comprimidos e que só alivia quando a gente se alimenta dela.  Tem ferida que não fecha, não cicatriza com pomada, que inflama e infecciona com o tempo. Quatro anos. Quatro anos é muito tempo? Eu lembro dessa pergunta em Paris, Texas. Quando os irmãos Walt e Travis estão voltando pra casa, no meio do deserto, parados esperando o trem passar, à beira de uma ferrovia, Travis fica sabendo que seu filho irá fazer oito anos e que ele esteve ausente nos últimos quatro. Então ele pergunta: “Quatro anos é muito tempo?”. “Para um garotinho de oito é. É metade da vida dele!”, responde Walt. Quatro anos é muito tempo para um garotinho de oito anos. E pra dois sujeitos com mais de quarenta? Pra dois sujeitos que nunca se viram e se alimentaram das mesmas dores nos últimos quatro anos. Quatro anos e um encontro improvável. Um final imprevisível. O abandono, a dor, a solidão, o tempo, o perdão. Tudo ali em menos de uma hora. Dois sujeitos de um talento sem igual. Um texto que te faz rir pra no segundo seguinte enfiar a espingarda na tua fuça e te perguntar “tá rindo do quê?”. Os dois sujeitos são os amigos Mário Bortolotto e Nelsinho Peres. O texto é do amigo, poeta e agora dramaturgo Sérgio Mello, o  Sam Shepard dos trópicos, acho que essa definição é do Marião! “Aos ossos que tanto doem no inverno” mexe com essas dores que não têm cura e mesmo que não fiquem expostas juntam mosquitos, inflamam e infeccionam. Quatro anos no inverno é muito tempo e embora a solidão não escolha idade fica mais doída aos ossos com o passar dos anos, com a vida se encaminhando para os quarenta e cinco do segundo tempo e você já não sabe se torce para uma prorrogação ou quer que tudo termine ali mesmo no apito final do tempo normal.

Ah, não bastasse isso ainda tem a direção. Aprendi com o Bortolotto que o bom diretor e a boa direção são aquelas que não se evidenciam, aquelas que são feitas de sutilezas e não de grandes “invenções”. O teatro é feito de atores e texto. O diretor é fundamental e importante na concepção do trabalho, mas não precisa aparecer mais do que os elementos principais. E a direção do espetáculo é sob medida e de responsabilidade de Soledad Yunge, que soube explorar o talento e recursos dos atores e do texto, sem querer aparecer mais por isso e ainda soube expor a sensibilidade, que muito provavelmente só uma mulher poderia fazer,  que o texto aborda sem cair no clichê e no piegas. Algo raro nos dias de hoje.



Escrito por Alessandro às 08h10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




E HOJE, NESSE BLOG, ESTRÉIA A SÉRIE:

 

VÍDEOS FANTÁSTICOS!!!!!

 

Com vocês..............

 

MÁÁÁ – RIO        BOR – TO – LOT – TO    LA…

 

LALALALALALALA

 

     Após muito tempo sem ter passar por aqui resolvi dar as caras para trazer algo de útil aos poucos leitores desse blog. Dia desses o xarope do Bortolotto fez uma reclamação pública em seu blog se queixando de que não havia comparecido na reunião do grupo e ele tinha levado umas fitas VHS para eu copiar para o DVD. Dias depois, com toda a delicadeza peculiar do senhor aqui já citado, ele me encontrou nos Parlapatões com um “caloroso” tapa em minhas costas e com as tais fitas. Demorei, mas enfim começo agora brindar o grande público com cenas, reportagens e imagens dos 26 anos de carreira desse “simpaticíssimo” senhor. Por favor, algumas reportagens não primam pela qualidade da imagem já que são fitas que existem a mais de duas décadas e só pelo fato delas ainda rodarem já é de se louvar. E pra encerrar contenham o riso, sim meus amigos, esse aí embaixo é Mário Bortolotto com seus vinte e poucos anos!

     Detalhe: prestem atenção na edição da reportagem: fantástico! Isso sim é jornalismo sério! Isso sim são anos 80!

 



Escrito por Alessandro às 14h04
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




THE TRUTH IS OUT THERE

E nesse ano também retorna às telas o segundo longa de Arquivo X. Uma das melhores séries da TV nos anos 90. Mulder e Scully juntos novamente. O melhor é que o roteiro e a direção ficam por conta de Chris Carter, o criador da série. Algumas cenas lembram o filme “Independence Day”, e tenho a impressão que vi Bill Pullman  no trailer disponível na web. Será que Carter teve a sacada de mantê-lo como presidente do EUA? Se isso se confirmar, puta azar do cara! Agora é esperar o segundo semestre.

 



Escrito por Alessandro às 12h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Nada em comum

 

ruas molhadas

e nenhuma pressa

a gente ri das coisas sem graça

das histórias inventadas

dos livros espalhados

no banco traseiro do carro

em plena madrugada

paramos em faróis vermelhos

falo sobre a chuva

você não me ouve

te observo pelo retrovisor

enquanto nos guia

pelo sábado a noite

pelas ruas molhadas

pela avenida vazia

sozinhos

e sem nenhuma pressa



Escrito por Alessandro às 12h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




2008



Escrito por Alessandro às 11h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




HOJE, NO LANCE!

(p/ Nelsinho Peres)

 



Escrito por Alessandro às 11h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Promessas de um ano novo.

 

 

 

Olhos inchados. Uma noite mal dormida e os pedaços todos jogados pelo chão. Papéis picados... contas à pagar.... cacos de vidro.... um filme pela metade no velho videocassete e a sensação de não pertencer a esse lugar. De não pertencer a lugar nenhum. Meias contorcidas no pé e o pijama amassado. Copos de café pela metade servindo apenas para amortecer as cinzas do Marlboro Light. Tentativa frustrada de parar de fumar. Cadeiras vagas. Solidão que se explica pelo cão que saiu pra mijar e não voltou, recados  na caixa postal que não mais se acumulam, os amigos que nunca foram muitos e que agora se contam nos dedos de apenas uma das mãos. Abandono total. Vazio de um ano que se encerrou. Promessas de um ano novo. Os mesmos velhos problemas assombrando pelos cantos da casa e a estranha sensação de que a vida nada mais é do que eternas reprises da sessão da tarde.



Escrito por Alessandro às 11h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




THE DARK KNIGHT

 

EM 2008

 

 

ELE ESTÁ DE VOLTA!

 

 

 E MUITO BEM ACOMPANHADO!

 

 

 

TRAILER



Escrito por Alessandro às 20h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




VAPOR BARATO / FLOR DA PELE

(Gal Costa e Zeca Baleiro)

“Oh, sim, eu estou tão cansado
Mas não pra dizer
Que eu tô indo embora
Talvez eu volte
Um dia eu volto
Mas eu quero esquecê-la, eu preciso
Oh, minha grande
Ah, minha pequena
Oh, minha grande obsessão”

 

A primeira vez que ouvi “Vapor Barato” foi na cena final do filme “Terra Estrangeira”, do  Wlater Salles. O carro seguindo pela rodovia deserta e a Fernanda Torres cantando para o Fernando Alves Pinto. Puta filme! Puta Cena! Eu acho uma das letras mais bonitas que eu conheço, e também o melhor filme do Walter Salles.

 

Cena final do filme “Terra Estrangeira”

 

 



Escrito por Alessandro às 14h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




SÓ HOJE..... E AMANHÃ

 

 

 

Foi muito bom voltar. Foi uma temporada de readaptação (afinal, oito anos e pouco nada mais são do que aproximadamente 3.000 dias!!!!), mas extremamente gratificante. Muito obrigado Marião, Fernanda, Gabriel, Marcelo, Batata, Mariana, Fabiana, Gustavo, Dani, Carol pela confiança e pelo apoio. Foi realmente ótimo tê-los ao lado. Dia 12 de janeiro a gente volta..... se Deus quiser e acredito que não tem porque ele não querer.

 

 

Cocoonings

Texto: Mário Bortolotto
Direção: Gabriel Pinheiro
Elenco: Alessandro "Robocop" Bartel, Walter "Batata" Figueiredo, Gustavo Brandão, Mariana Leme e Fabiana Vajman.
Iluminação e Sonoplastia: Marcelo Montenegro
Produção executiva: Daniella Angelotti
Fotos: Edson Kumasaka

Teatro Ruth Escobar, 209
Bela Vista
Sala Mirian Muniz

Hoje às 21h00
Amanhã às 20h00
Ingressos: R$ 20,00 (inteira)
R$ 10,00 (estudante ou com a apresentação da filipeta)
R$ 8,00 (comprando pela APETESP)



Escrito por Alessandro às 14h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




LOU REED



Escrito por Alessandro às 19h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




GENIAL



Escrito por Alessandro às 19h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




CHARLIE BROWN E EU.



Escrito por Alessandro às 14h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




QUARTA-FEIRA CINZA

 

E agora essa chuva. Essa garoa refrescando um pouco o calor insuportável dos últimos dias. E eu tava deitado, lendo Bukowski e me lembrei de um texto recente do Bortolotto sobre ser triste e a possibilidade da escolha. De poder escolher de que lado da janela ficar. Que chova o dia inteiro então!

 

A noite será devagar

 

bem, aqui estou eu

de novo

ouvindo as boas e velhas

músicas

de novo,

sentindo tristeza,

a boa

tristeza

à moda antiga

em que as lágrimas

não chegam

a sair.

bom.

ouço mais um pouco.

 

a mente pode

consumir quantidades

mágicas de

memória

enquanto  a noite se

desdobra

noite adentro,

enquanto outro charuto

é acesso,

como se pode ficar

terrivelmente amuado

quando velhas

músicas seguem-se

uma às

outras,

rostos são

lembradas,

rostos jovens,

 como fatias novas de uma

maçã,

estão mortos

agora,

quase todos

eles

mortos

agora.

 

a aparente

beleza e

a aparente bravura,

se foram.

 

sentado aqui

permitindo que meus

melhores sentidos

sejam diluídos pela

melancolia,

um  homem

velho,

lembrando

de novo,

olhando de cima

a baixo o bar imaginário

cheio de assentos

vazios,

pensando naquela

criança com os loucos

olhos

vermelhos

que sentava lá

enchendo o copo e

enchendo e enchendo e

enchendo

de novo

ao ponto da

imbecilidade,

agora lembrando,

ouvindo

de novo,

permitindo a idiotice

entrar

de novo,

somos todos

idiotas para sempre

idiotizados

para sempre.

alegremente.

agora.

 

(CHARLES BUKOWSKI)



Escrito por Alessandro às 14h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A FRASE DO ANO

 

“O Mário é uma pessoa simpática!”

 

Eu ouvi isso! Ninguém me falou! Ela foi dita para mim. Assim dessa forma mesmo. Acreditem!!!!!!



Escrito por Alessandro às 14h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
Outros sites
  Mário Bortolotto
  Fernanda D'Umbra
  Rubens K.
  Márcio Américo
  Márcio Shell
  Pedro Fiori
  Fernando Blues
  Poema Show
  Pierre
  Fabiana Vajman
  Bruna Beber
  Sérgio Mello
  Rodrigo Garcia
  Maléfico Bar
  Juliana
  MaicknucleaR
  Sebo do Bac
  Bactéria
  Revista Muro
  Nelsinho Peres
  Clarah
  Alex Grulli
  Carola Medina
  Revista Lasanha
  Samya Enes
  Patrícia Leonardelli
  Luana Vignon
  Marcelo Montenegro
  Batata
  Eliane
  Ademir (Pinduca)
  Fábio Brum
  Douglas Kim
  Pedro Pellegrino
  Calvin
  Mafalda
  Snoopy
Votação
  Dê uma nota para meu blog